Colunas

A ingratidão do Cordeiro!

De empresário falido a prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei vira as costas para seus principais aliados

Relembrando os idos de 2016, quando Ilderlei Cordeiro (PMDB), um empresário falido, ex-deputado federal apagado, peregrinava de porta em porta dos partidos de oposição tentando viabilizar uma candidatura a prefeito de Cruzeiro do Sul. Recordo ter ouvido, na residência oficial dos Sales, na tradicional Avenida Mâncio Lima, em Cruzeiro do Sul, que o candidato do “Leão do Juruá” seria o procurador e pupilo de Vagner Sales, Jonathan Donadoni.

O dedo do Gladson

Vagner já havia feito uma conversa com Donadoni e o mandou se preparar para ser candidato a prefeito. Eis que entra em cena o senador Gladson Cameli (PP). O senador costura o apoio de Vagner ao empresário falido, que vendia galinhas nas calçadas do mercado municipal. Subitamente, Vagner saca Donadoni e passa a apoiar o ex-deputado.

Ingrato

Depois que o homem ganhou a eleição, a coisa mudou. Ilderlei Cordeiro não vem cumprindo o acordo. Fonte ligada ao PMDB da Avenida Mâncio Lima revelou que ele tem sido um ingrato. “Não ajuda e ainda atrapalha. Não cumpri acordos e o que é pior: bota seus puxa-sacos para minar nosso grupo político,” disse.

O fracasso do PP

O PP fracassou na tentativa de unificar a oposição. Na última semana, o Patriotas, do Coronel Ulysses Araújo, e o DEM, de Frank Lima e Bocalom, selaram um acordo e estão fora do grupo que orbita em torno da candidatura de Gladson Cameli.

Fechado com o Coronel Ulysses

“A candidatura do Coronel Ulysses terá nosso apoio”, declarou à coluna o presidente regional do DEM, Tião Bocalom.

Deputado federal

“Eu vou para deputado federal por causa da saúde da minha rainha. Vice e senado só discutiremos em outra oportunidade.” disse Bocalom, quando questionado se seria candidato ao senado na chapa do Coronel Ulysses.

E não para por aí

Fonte do centro nervoso de decisão da oposição garantiu que existem conversas com mais dois partidos, que podem se somar ao Patriotas e ao DEM. A se confirmar essa informação, Coronel Ulysses ganha força e caminha, a passos largos, para desbancar o PP e Cameli do posto de opção à FPA. É melhor político “risadinha” ir botando as barbas de molho.

Preocupação progressista

Ocorre que o cenário mudou. Bocalom e o DEM apoiando o Coronel Ulysses, embalado efeito Bolsonaro, com a candidatura de Rodrigo Pires, mais o candidato da Rede, põem o senador e o PP em compasso de alerta.

O novo

Das candidaturas de oposição, postas até aqui, a única que pode se apresentar como o novo é a do Coronel Ulysses. Exatamente por isso vem despertando tanta preocupação do grupo de Gladson Cameli. Coronel Ulysses, ao contrário do senador progressista, quase não tem rejeição e pode sim ser uma opção à FPA. Talvez, por isso, ele sofrer, em breve, os primeiros ataques na tentativa de minar sua candidatura. Prepare o lombo Coronel

Minoru kimpara

A Rede acertou ao anunciar o reitor da Universidade Federal do Acre, Minoru kimpara, como pré-candidato ao Senado. Kimpara é um quadro técnico e muito bem-conceituado junto ao meio acadêmico e na sociedade acreana. Vai elevar o debate.

O Pros fica na FPA

Depois de especulações envolvendo uma possível ida do Pros para a oposição, a executiva nacional do partido, por decisão de seu presidente Eurípides de Macedo, resolveu nomear nesta terça-feira (14), em Brasília, o ex-deputado Fernando Mello como presidente regional do partido, matando de vez qualquer possibilidade da sigla migrar para a oposição.

Cinco candidatos em eleição polarizada

Caminhamos para uma eleição acirrada em 2018. Como os votos da FPA não oscilam, e quatro dos cinco candidatos devem vir da Capital, além de o Coronel Ulysses se apresenta como uma opção à FPA e ao Gladson Cameli, quem mais tende perder com o cenário é o senador. O candidato progressista terá sua inserção em Rio Branco prejudicada. Gladson deve ser minado dentro dos redutos da oposição e, a depender do avanço da candidatura do Patriotas/DEM, e de um possível alinhamento do PMDB na direção do candidato dos Patriotas, Cameli poderá ter dificuldades até mesmo de ir ao segundo turno.

 

Por Luiz Carlos Rosa

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Mais lidas da semana

Subir