Acre

Rasteira Política: sem a vice, deputado Alan Rick pode ficar sem mandato, e agora Alan Rick?

E agora Alan Rick?

O que será do futuro, do deputado federal Alan Rick? Saiu da FPA com a promessa de que seria o vice do Gladson. Vai levar uma rasteira daquelas, e para completar, terá o presidente do seu partido, Tião Bocalom, como seu principal adversário pela vaga a reeleição. Tivesse que apostar, diria que Bocalom sairia na frente, na disputa. Perece, que além da queda, o coice, deve ficar sem a vice, e sem o mandato.
Miando como um gatinho
O comportamento do deputado federal Major rocha, tem chamado a atenção. De bravo e brigão, passou a engolir desaforos e falar manso. Seria isso uma mudança de estilo, ou estratégia?
Gato escaldado
Me ligou um deputado oposicionista. Dizia ele, sobre a mudança do Major Rocha: “Esse recuo do Major Rocha, do acordo que o PP havia firmado com o PSDB, para indicação da vice parece jogo de cartas marcadas. Rocha recua para forçar Bocalon a recuar, sob o argumento, que caso não o faça, será o único da oposição atrapalhando a unidade. No final, Bocalon como sempre deve tomar uma rasteira.
Aposta
Conversando com um Cardeal petista, de batina, estola e solidéu vermelho, eu perguntava: o vice vai ser o Emilson Farias? Ele reponde: “se tivesse que apostar, eu apostaria nele. Mas só se resolve isso em 2018”.
Delegada
O grupo ligado a delegada Carla Brito, alimentava a esperança de que ela pudesse ser escolhida como vice de Marcos Alexandre. Sem chances, podem tirar o cavalinho da chuva.
Mau estar
Agora que a ficha caiu, para os aliados da delegada Carla Brito, começou a revolta. Alguns não fazem a menor questão de esconder seu descontentamento, já tem quem diga: se não for ela a vice, a gente não vota no Marcos Alexandre. Tudo choro de surubim, basta a campanha começar e vão estar todos com suas bandeirinhas vermelhas nas mãos.
A Cesar, o que é de Cesar
Fonte revelou a coluna, que a vaga de vice de Marcos Alexandre, foi oferecida ao deputado federal César Messias. Ele, por sua vez declinou do convite alegando problemas de saúde. Cá entre nós, Cessar Messias tem como certo sua reeleição, vai correr o risco de disputar, e numa reviravolta, perde e fica sem mandato? Cesar é tudo, menos ingênuo.
PSOL
O partido do socialismo e liberdade, PSOL, realizou sua plenária do diretório municipal de Cruzeiro do Sul, na última terça feira 19, no plenário Luiz Marciel da costa, da câmera municipal  de Cruzeiro do Sul. Na pauta além das eleições de 2018, temas como: “cura gay”.
Se a moda pega
Se essa onda de querer fazer terapia, para curar gay, pega na política acreana. Parafraseando o Jornalista Tião Vito do página 20: “o que vai ter de erro de diagnóstico é uma grandeza”. Emendo eu, o que tem de políticos que sob efeito de álcool vai precisar de tratamento. Porém, passado o pileque, pronto tá curado.
Uma dúvida
Uma dúvida que permanece na cabeça de todos acreanos, é, se o Senador Gladson Cameli, vai continuar querendo ser o pai da BR 364 durante o Inverno. No verão, quando os carros podem ir e vir, todos querem ser os pai da BR, passeando pra lá e pra cá tirando fotos no trecho, no inverno os parlamentares só visitam Cruzeiro do Sul de avião e só falam da BR nos palanques. Como o inverno não demora, logo teremos essa resposta.
Vai fechar
O jovem cruzeirense, Vangleisson Figueiredo, mais conhecido por Zé Pitó, foi de Cruzeiro do Sul a Rio Branco numa Honda Biz 125, no último fim de semana. Além de ser destaque a sua viagem, concedendo até entrevista em emissora local de TV. Ele fez uma constatação preocupante, segundo ele do jeito que esta, no inverno a BR vai fechar.
Elenildo da Pesca
A Coluna conversou com o vereador Elenildo da Pesca, que afirmou, ter recebido convite do senador Gladson Cameli para ser um dos candidatos do partido progressista, a deputado estadual. Elenildo deve focar sua campanha nas colônias de pescadores, categoria que representa em Cruzeiro do Sul. Se a eleição fosse hoje, o vereador teria apoio de pelo menos, cinco colônias de pescadores em todo o estado.
Articuladores
A camara municipal de Cruzeiro do Sul tem 14 vereadores, mas dois apenas parecem realmente ter voz. Todos os projetos importantes, encaminhados ao legislativo mirim cruzeirense, passam pela articulação dos dois.
Vaquinhas de presépio
Os outros doze vereadores, sempre são convencidos, ou se deixam convencer pelos dois. Parecem vaquinhas de presépio, sempre dizendo amém para os donos da casa. E ainda reclamam, quando tem que tomar chá de banco na antessala do prefeito. Se você terceiriza seu voto, isso faz de quem lhe convence, o dono dele. Então, porque o prefeito tem que falar com o Vereador, se tem quem fale por ele?
Prestação de contas
O parecer do tribunal de contas, recomendando a reprovação das contas do ex-prefeito Vagner Sales, no ano de 2010, está movimentando os bastidores políticos de Cruzeiro do Sul. Por ser vital para o futuro político de Vagner Sales, e da oposição, é esperado um rolo compressor nos que se posicionarem a favor do TCE e contra Vagner.
Vai pra cima
O procurador Jonathan Donadoni, que costuma articular os bastidores da camara, a pedido de Sales, deve entrar em campo nos próximos dias. Com ele no controle, em oito anos de mandato Vagner Sales, nunca perdeu uma votação na camara municipal de Cruzeiro do Sul.
O mesmo jogo, as mesmas regras
Depois de muito alarde na grade mídia nacional, quase nada mudou nas regras da eleição do ano que vem. Nada de distritão, ideias mirabolantes, seguem as velhas coligações e o coeficiente partidário. Mudança mesmo, apenas a cláusula de desempenho, proposta velha e requentada que o Ministro Marco Aurélio Melo, do STF, irresponsavelmente derrubou. Fim das coligações, apenas para as eleições municipais de 2020. Como diria o narrador Milton Leite: “sigam a pelota”!
Pensando naquilo
Semana que vem acontece a votação no congresso, para aprovar o financiamento público de campanha. Alguém duvida que vão aprovar? No fundo eles só pensam naquilo.
Incompetência
Recebo a informação, que recursos do ministério do turismo, destinado pela deputada Jéssica Sales, para ser usado nas festividades de aniversário dos 113 anos de Cruzeiro do Sul, no festival da farinha, não foram liberado porque a prefeitura de Cruzeiro do Sul perdeu todos os prazos legais, na elaboração do projeto junto a AMAC, e consequentemente, na liberação dos recursos junto ao ministério do turismo. Recursos do mesmo ministério, e da mesma deputada, no valor de R$ 150.000.00 (cento e cinquenta mil reais), vão poder ser usado em Tarauacá, porque lá, a prefeitura não perdeu os prazos. Que vergonha!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Mais lidas da semana

Subir